... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Estar só... Na companhia de si mesma.

“Que minha solidão me sirva de companhia. que eu tenha a coragem de me enfrentar. que eu saiba ficar com o nada e mesmo assim me sentir como se estivesse plena de tudo.” Clarice Lispector



Os filhos já estavam criados e formavam suas famílias e na minha situação de mulher sozinha, me cabia, além das obrigações rotineiras de sobrevivência, estar solitária com meus pensamentos. Os tempos eram difíceis, eis que não havia mais a divisão de tarefas e, tampouco a aliança de solidariedade como antes. 

Minha vida, embora limitada de prazeres por conta do orçamento apertado, ainda existia livros na estante a serem descobertos, filmes para assistir ou rever e também, havia a música que preenchia meus vazios e me fazia reviver momentos do passado. 

Por várias vezes, meu lazer se rendeu as exposições, palestras e seminários gratuitos. Em épocas festivas de feriados, me restava a solidão doméstica e hoje preparei uma sopa com os poucos ingredientes que sobraram da última compra, mas a apreciei com gratidão de poder me alimentar dignamente. 

Não são raras, as mulheres que como eu vivenciam a solidão, pois criaram seus filhos, dedicaram-se à um casamento na plenitude de seus melhores anos da juventude, enfrentando as vicissitudes de momentos em crise, abdicando da profissão com afinco, se separam e depois a família toma novos rumos. 

Viver é uma eterna descoberta e enfrentamento de crises, ora passageiras, ora permanentes... Mas, apesar de tudo, me admiro por minha autonomia emocional, de viver me adaptando a nova realidade. E, acima de tudo, me completar com a minha própria solidão.