... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

sábado, 7 de dezembro de 2013

Sem empatia ou remorso... Mulheres são vítimas fáceis da desunião do gênero.


"... sem algum remorso, a culpa sempre era da outra fraca e descontrolada, cujas emoções eram transparentes. Aliás, não entendia de emoções, pouco se importava com os outros, bastava atingir seus objetivos. Não sentia medo, que para si era algo superficial. Tanto que, não o associava a alterações corporais, eis que precisava de adrenalina nas veias para viver, mesmo que fosse através da dor alheia. Esportista, se dedicava às atividades mais radiciais, cujo êxtase era repetir regojizante que adorava sentir dores musculares. Era uma das poucas mães que não se preocupava com os filhos, incentivando-os até mesmo em esportes perigosos. Em sua incapacidade emocional, jamais cultivou compaixão e respeito pelos outros. Mas, sua capacidade pontual de raciocínio cognitivo sabia muito bem representar o que Armando precisava. Principalmente, porque era paciente em escutar as reclamações e se moldar aos desejos dele e a campanha era permanente, afastando-o da função paterna. "


Na competição atroz por relacionamentos, mulheres são cada vez mais usadas e descartadas, sendo mais grave ainda, o desrespeito aos sentimentos das outras mulheres que diante do amor são frágeis e pouco conseguem discernir a perversa trama do patriarcado. 

Amantes investem em relacionamentos duradouros, justamente visando assumir o lugar da outra. E, para tal, assumem uma personalidade capaz de agradar e se submeter aos caprichos machistas, tornando-se inimigas das próprias mulheres. 

Com isso, os homens cada vez mais escravizam emocionalmente as mulheres. Utilizando-as como objetos, principalmente na esfera sexual. Dentre muitos casamentos de longa data, assim como há a curva hormonal feminina, há também a curva masculina. 

Mais familiarizadas com a natureza das ebulições hormonais desde a adolescência, chegar ao climatério já não é o bicho-de-sete-cabeças. Envelhecer atualmente, não começa na fase balsaqueana, mulheres de quarenta ou cinquenta continuam plenas em seus projetos. Mas, em compensação, os homens não sabem lidar com isso. 

Triste realidade, quando os homens chegam aos cinquenta e, no temor da perda da virilidade começam os problemas conjugais. O apetite sexual começa a exacerbar as fantasias, as perversões e as cobranças. Se a mulher for atraente e tirar suspiros por aí, a insegurança toma conta da paranoia desejante da infidelidade.

Justamente, àquelas escapadelas aventureiras inofensivas desses homens no decorrer do casamento, agora com a andropausa, são capazes de gerar dúvidas em relação à mulher. Assim, começa o ciúme desmedido que se disfarça de amor, mas que na verdade é apenas um sinal de que não há confiança mais. 

Desta forma, o cinquentão inseguro que fantasia ser traído pela mulher com outro mais viril ou mais bem dotado que ele, então, começa a levar a sério o caso extra-conjugal com a desculpa de que a mulher não o ama mais. Assim, confidencia suas inseguranças, os defeitos da mulher, seus anseios e expectativas. Um prato cheio, para a amante se adequar ao modelo que o convém. 

Desesperada pela estabilidade emocional, se adapta perfeitamente ao molde esperado. Aí, as fantasias sexuais e os elogios inventados são capazes de levantar a auto-estima do cinquentão inseguro. 

Portanto agora, ele se sente o mais viril de todos e se vinga da mulher, abandonando a família, incentivado pela amante que ocupa o lugar que julga ser seu. Bastou para que anos de cumplicidade do casamento caia por terra.