... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

segunda-feira, 17 de março de 2014

Solidão...

"A maior solidão é a do ser que não ama. A maior solidão é a do ser que se ausenta, que se defende, que se fecha, que se recusa a participar da vida humana. A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo, no absoluto de si mesmo, e que não dá a quem pede o que ele pode dar de amor, de amizade, de socorro. O maior solitário é o que tem medo de amar, o que tem medo de ferir e de ferir-se, o ser casto da mulher, do amigo, do povo, do mundo. Esse queima como uma lâmpada triste, cujo reflexo entristece também tudo em torno. Ele é a angústia do mundo que o reflete. Ele é o que se recusa às verdadeiras fontes da emoção, as que são o patrimônio de todos, e, encerrado em seu duro privilégio, semeia pedras do alto da sua fria e desolada torre."  Vinicius de Moraes




Amei muito àquele homem solitário, cuja solidão sempre lhe foi soberana impedindo-o de amar. Jamais, consegui uma troca em sentimentos genuínos, eis que seu egoísmo emocional prevaleceu. O individualismo do prazer imediato não o possibilitou reconhecer que o amor está na relação como um todo e, não simplesmente, no domínio e na subjugação do outro.

Na sua busca incontrolável de receber, esqueceu-se de doar. Ou talvez, nem saiba que uma relação se constrói com doação bilateral, sem cobranças ameaçadoras de atenção, sem desconfianças... Carinho não se esgota quando é receptivo, mas necessita ser demonstrado. 

A insegurança cometida pelo ciúme desmedido, ao invés de lisonjear o ego, na maioria das vezes magoa pelo falta de confiança. E, confiança é um sentimento uníssono para uma relação verdadeira, jamais podemos esconder do outro nossas inseguranças e medos. Pois, o relacionamento se faz com cumplicidade. 

Nunca soube, na verdade, o que ele pensava ou quais planos e projetos almejava, sua individualidade era tão secreta que pouco participei da sua vida. Apesar, de confidenciar todos meus desejos e segredos, nossa relação era uma via de mão única, ele me tinha nas mãos e sabia tanto de mim que a minha vida era conjugada. Eu estava entregue e totalmente desnuda, mas ele não.

Quando me descartou, o sofrimento foi aterrador e até hoje não tenho as respostas porque ele se foi. Pois, ele revelou todos os meus segredos, me expondo de forma vingativa por seu fracasso afetivo. Porém, soube que o amor era tão somente meu e seu pavor da entrega demonstra claramente sua necessidade de estar no comando para se sentir amado.