... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Castração narcísica...

"O amor dos pais gera amor pelos filhos(...) quanto mais se ama, mais isso se reflete nos filhos e nos outros, de uma forma afetuosa.
 A falta de amor na infância teve graves implicações no futuro de Arthur. As crianças que não recebem carinho materno costumam não se sentir seguras para gostarem de si mesmas, para acreditarem que os outros vão gostar delas ou para gostarem de viver. Na idade adulta, tornam-se distantes, recolhidas em si mesmas, e têm uma relação difícil com os outros. Foi esse o cenário psicológico que formou a visão do mundo de Arthur." (Irvin D. Yalom in A Cura de Schopenhauer)




A náusea é intensa pelo acúmulo de mágoas, misturadas à raiva e preciso colocar para fora esses sentimentos que me arde o estômago, me seca a boca e me dói o peito. O sofrimento é tão grande que a dor é física, a cólera me escurece a mente. Preciso colocar para fora tudo, como um vômito em golfadas, na tentativa de me aliviar da dor ou punir Samuel por todas as marcas da torturas sofridas de anos.

Não adianta, as mágoas continuam e nem, mesmo as lágrimas são capazes de lavar a repugnância de todo mal que ele me fez. Cansada adormeço, mas uma vez derrotada por Samuel. Não há vitórias a serem alcançadas contra um algoz sem sentimentos de culpa ou remorso.

Samuel não consegue amar e nunca se sentirá amado, pois sempre foi rejeitado por sua genitora e preterido pelo irmão. Talvez, aquela mulher nutra apenas sentimentos em relação ao irmão, o primogênito, donde ainda era feliz em seu casamento. Então, Samuel trouxe o estigma do desamor como fruto de uma união infeliz.

Sua patologia em grande parte vem de uma mãe amarga, odiosa e má. Enquanto seu pai sempre ocupou o papel de omisso, alienado à todas as reivindicações da esposa. Assim, sempre rejeitado e mendigando afeto alheio dos cuidadores pagos, Samuel viveu sua infância. Não é a toa que suas relações envolvem sempre interesses, sejam sexuais ou vantagens financeiras. Mas, como amar ? Se desconhece tal sentimento no seio de sua formação. Como se sentir amado, se nunca o ensinaram o amor ?

Com efeito, Samuel havia despejado todo ódio provocado pela rejeição materna em mim. O ciúme doentio sem motivos vinha da disputa pelo amor da mãe que lhe era negado e direcionado ao irmão.

Agora, estava regozijado e satisfeito pela vingança sem sentido, de todo sadismo que me levou a dor e ao sofrimento. Tanto que friamente disse-me: "Fiz isso no seu aniversário porque você preferia dar mais atenção aos seus amigos do que a mim !"