... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

A eternidade de amar...

"De longe te hei de amar - da tranquila distância em que o amor é saudade e o desejo, constância." Cecília Meireles




As circunstâncias burocráticas da vida nos aproximaram, de uma maneira ou de outra por mais que exista qualquer responsabilidade em comum, não creio que seja puramente pragmático, sem uma pitada sequer de afeto. Embora, a aparência se revele embotada de alguma forma arredia, restara uma breve afinidade adormecida. 

No nosso rompimento, de início, você estava radiante pela liberdade conquistada de poder se entregar ao encontro efêmero da paixão deslumbrada, com todas as expectativas do vazio a ser preenchido. Como uma criança inconsequente, atravessou sentimentos sem olhar para trás e foi auspicioso ao conseguir chegar do outro lado. Deslumbrado em seu delírio saciou a sede da alma desidratada de amor. Depois, veio a calmaria e agora, novamente a falta.

Atônita, custei acreditar no vazio que aumentara com sua partida. Posteriormente, os momentos foram de revolta em que a cólera me cegou completamente. Depois, a tristeza transformara em melancolia me deixando absorta sem defesas. 

Ambos mudamos, diante do ocorrido. Das dores ao amadurecimento. Mas, o amor não é volátil e permanece na esfera do perdão. No âmago de quem ama verdadeiramente, não existe tempo e nem tampouco finitude. Por isso, não desisto dos sentimentos genuínos. A prova disso, é que continuo amando mesmo com a ausência abstrata da correspondência. 

Agora, está mais claro do que nunca. Amar significa aceitar tanto as limitações do outro em não suportar os remendos do relacionamento desgastado, como gratificar-se na presença por vê-lo feliz. O afeto estará sempre disponível nos momentos difíceis, se não, não é amor.