... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Da angústia neurótica ao delírio psicótico... Para não sucumbir à dor.

"A experiência trágica e cósmica da loucura viu-se mascarada pelos privilégios exclusivos de uma consciência crítica. É por isso que a experiência clássica, e através dela a experiência moderna da loucura, não pode ser entendida como uma figura total, que finalmente chegaria, por esse caminho, à sua verdade positiva; é uma figura fragmentária que, de modo abusivo, se apresenta como exaustiva; é um conjunto desequilibrado por tudo aquilo de que carece, isto é, por tudo aquilo que o oculta. Sob a ciência crítica da loucura e suas formas filosóficas ou científicas, morais ou médicas, uma abafada consciência trágica não deixou de ficar em vigília." (Foucault)


A solidão da alma me é insuportável, o sofrimento daquela realidade não era falso. Embora, mentisse a mim mesma que amanhã tudo passaria. Mas, na manhã seguinte a dura realidade lá estava, inerte e permanente, me levando ao total desamparo. E, assim persistiu por várias manhãs...

Já não tinha mais forças para continuar aquela tortura incessante do meu espírito atormentado, numa tentativa desesperada em suportar aquela dura realidade de um sofrimento infinito, passei a delirar...

A loucura está a espreita, pronta para o acalanto na defesa da dor pulsante que me fere. Aturdida e visivelmente em estado de choque, sigo pelas ruas desconhecidas, diversas do meu trajeto habitual. Buzinas e freadas me martelam os ouvidos, mesmo em total ausência de consciência, cujo meu semblante atônito atesta o furto de meus sentimentos, caminho tortuosamente.

Assim, sigo sem direção, com a visão monocromática da cegueira histérica, meus gritos surdos contidos me provoca um nó na garganta a ponto de sufocar, a pressão aguda no meu peito irradia pelo estômago provocando náuseas, os tremores dos membros inferiores me fazem cambalear, até que o cansaço me leva a um banco qualquer de uma praça e permaneço estática até  desidratar em prantos.

Perdida na grave desilusão, embotada, me encontro frontalmente em pânico diante do turbilhão dos temores em pensamentos. Não vou suportar ! Estou enfartando !

De repente, o tocar do telefone, num instante me desperta. Ouço do outro lado da linha: O que está acontecendo ? Aonde você está ?
- Não sei, respondo entre soluços.
- Calma ! Respire fundo e tente se situar.
- Estou morrendo.
- Me diga uma rua pelo menos, que estou indo lhe buscar.

(C. Garcy)