... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Meu mundo caiu !

Quando descobri que Guilherme me traia com uma amiga do colégio, lembrei-me da antiga música da Maysa e literalmente meu mundo caiu. A pior decepção não era em si a infidelidade como ato isolado, mas deslealdade que acabou com dezoito anos de casamento...







"Meu mundo caiu
E me fez ficar assim
Você conseguiu"





Atualmente, há uma insegurança generalizada tornando as relações volúveis, mas a segurança e a confiança ainda são os principais valores na construção do relacionamento. E, muitas vezes, você convive com uma pessoa por tantos anos vindo a descobrir que não conhece aquela pessoa que escolheu para partilhar seus planos de vida.

Não é normal trair, tanto que um dos valores primordiais do casamento é a fidelidade. Entretanto, a infidelidade é um ato particular, um valor moral de compromisso com seus princípios individuais. Já a lealdade é um valor ético, um compromisso com a verdade no relacionamento com as pessoas. Sejam nas relações estáveis, como o casamento, quanto nas relações sociais com os semelhantes.

A lealdade é tão importante e diferenciada, que as pessoas com um vínculo de relacionamento pautado na confiança são mais felizes. Mas, com a mudança de desses valores estamos diante de uma sociedade que prega o individualismo. Então, temos a sensação que em qualquer momento podemos sofrer uma deslealdade. O egoismo impera nessa sociedade individualista e a infidelidade passou a ser tolerada. Não significando necessariamente uma deslealdade, dependendo dos princípios morais de cada um.

Contudo, a lealdade trata-se de uma questão de caráter, mais voltada para o valor ético da convivência em sociedade. É uma regra para ser vivida em relação à todos. Ela ultrapassa os limites do individualismo. Tamanha é a sua importância que torna-se fundamental para a saúde mental do sujeito, na esfera coletiva. Os desleais são pessoas com dificuldades em se relacionar e não mantém vínculos afetivos com outros. Eis que, não confia no outro, gerando assim distanciamento nas relações. Por não ser verdadeiro, está sempre achando que os outros também, não são. Como é individualista visa apenas as vantagens para si e nunca acredita no outro. Pois, verá sempre no outro o seu espelho.

Ademais, a lealdade consiste na verdade e na honestidade. Não quer dizer que você  nunca possa falhar diante do outro ou cometer um deslize e ser infiel. Porém, sendo leal você é capaz de ter uma atitude decente e verdadeira frente aos erros cometidos, assumindo-os sem mentir. Enquanto, no contrário, sendo desleal você invalidará todo o sentimento vivido perante o tempo  daquele relacionamento, incluindo os filhos que se sentirão parte daquela mentira.

Em relação a traição, o infiel conta com a cumplicidade da amante que atende todas as suas expectativas, submete-se aos anseios, desenvolve um papel de compreensiva, utiliza o corpo como material sexual. Inclusive se interessa em investigar a vida da mulher traída, se aproxima até dos conhecidos da rival para saber coisas que possam ajudá-la a desempenhar uma personagem inversa ao suposto modelo reclamado pelo amante casado. Assim, na ilusão de ganhar terreno perante uma competição desigual, uma vez que a mulher está segura em seu relacionamento e desconhece que está sendo enganada, a outra se utiliza das armas ideais para um combate unilateral velado. Sem saber que na vitória dessa batalha, se tornará a próxima a vítima.

Embora, a amante se esqueça que está sendo enganada também e, que aquela segurança para se construir uma relação de confiabilidade será falsa. Pois, da mesma maneira que ele enganou a mulher, enganou inclusive a ela com as invenções clichês para justificar sua infidelidade. Portanto, o desleal é desonesto com ambas e sempre desconfiará do próximo relacionamento, fadado ao fracasso, tanto quanto a amante que nunca terá plena confiança nele. Quem faz com uma, fará com a outra

Numa entrevista assistida no auge do meu luto pela separação de um relacionamento de tantos anos, ouvi a antropóloga Miriam Goldeberg, autora da obra "Infiel: Notas de uma antropóloga", atentar que na questão da deslealdade a pior coisa é a mentira. As lágrimas me escorriam rosto abaixo em total identificação com as palavras da especialista, como se ela soubesse do que estava acontecendo comigo. Aliás, poetas e artistas muitas vezes, expressam em versos e músicas o que sentimos, mas ela foi mais além. 

Saber que, conforme enfatizou Mirian, depois de longos anos de relacionamento que você era uma idiota, não pela infidelidade em si, mas que acreditou naquela mentira que o marido contava que estava com problemas de trabalho, crise financeira ou estava em crise e não tinha desejo por ninguém, nem por você e nem por outra, que o problema não era seu. E, de repente, descobrir que não é nada disso e sim uma mentira, isso é o que fere. Pois, se o outro não tem a maturidade de conversar sobre o que realmente está acontecendo, então trai, não discute e finge que não trai. Depois, você descobre a verdade, se sente uma pateta. Como pude acreditar naquela estória ? Como eu fiquei com essa pessoa durante tanto tempo ? Fiquei por amor, mesmo com todos os problemas e era tudo uma mentira. 

Assim, para ela, a deslealdade é esse sentimento que você descobre no fundo que é uma idiota. E, ainda ressalta que se até a Simone de Beauvoir, o mito do feminismo afirmava: "no amor e na fidelidade eu me sinto idiotizada", imagina nós que acreditamos em toda aquela fantasia e era tudo uma mentira. 

Conclui então, é essa mentira que põe tudo a perder o nosso chão, já que na infidelidade as pessoas conversam, discutem, vivem as crises, as superam ou não, e se separam. O pior é você descobrir que acreditou anos e anos num mentiroso. Enfim, viver com alguém que você confiou por 18 anos e tudo não passou de uma mentira, o que poderá esperar das outras pessoas ?