... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Abandono afetivo...

"O sofrimento nos ameaça a partir de três direções: de nosso próprio corpo, condenado à decadência e à dissolução, (...) do mundo externo (...); e finalmente de nossos relacionamentos com os outros homens. O sofrimento que provêm dessa ultima fonte talvez nos seja mais penoso do que qualquer outro." (Freud in Mal-estar da civilização)


Uma das mentiras sinceras mais ditas nas famílias compostas de mais de um filho é "amo meus filhos da mesma forma" ou "para mim gosto igualmente dos meus filhos". Talvez, os pais na tentativa de evitar os conflitos comuns de toda família, utilizem tal desculpa. Entretanto, mesmo os filhos desconfiados de que não existe essa igualdade, relevam e sigam comum o ritmo da união familiar. 

Mas, o que torna perigoso nesta questão, é quando um dos filhos tem a certeza de que é preterido e, os pais não se importam em disfarçar. Daí, entra em cena um dos trágicos mitos bíblicos, Caim e Abel. 

Recentemente, me deparei com um caso nesse sentido e quão é perverso a predileção direta de um filho em relação aos outros. Causando não somente a dor da rejeição, como a quebra de vínculos entre os irmãos. 

Durval teve dois filhos do primeiro casamento e um do segundo casamento. Apesar, dos três filhos serem de mães diversas foram criados unidos e sem diferenças. Obviamente, o caçula pela considerável diferença de idade detinha ainda, da atenção de ambos irmãos. Com a separação, Durval resolveu assumir publicamente seu relacionamento com a nova mulher que antes era amante. E, portanto deu-se a desconstrução familiar. 

Não obstante, Durval ainda manteve o mesmo comportamento infiel no casamento anterior. Entretanto privando àquela amante da época do convívio com os dois filhos. Inclusive, mantendo o relacionamento no anonimato para preservá-los e evitar mais danos emocionais à família.

Era notório a predileção deste pai à filha mulher, do primeiro casamento. Mas, que passava impunemente pelo fato dos outros filhos serem homens. Comum, os atritos e os conflitos entre irmãos, mas diante da amizade e afinidade dos três não era suficiente para gerar maiores prejuízos de ordem psíquica. 

No entanto, a rejeição referente ao caçula foi tão gritante que o pai nem sequer se preocupou em disfarçar. O preteriu não apenas, em relação ao tratamento dado aos irmãos, mas se tornando ausente. Ou seja, a dor do abandono paterno foi suficiente para desconstruir a ligação entre os irmãos. 

Assim, por mais que seja real a predileção por um dos filhos, os pais devem sempre ter muito cuidado na igualdade de tratamento. Pois, afinidade é uma coisa e amor deve-se construir a base da paternidade. Evitando desta forma, o abandono afetivo e suas sérias consequências no campo emocional.