... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

sábado, 21 de junho de 2014

Sem coragem de olhar para trás...

"A ansiedade diz não apenas de uma insatisfação ou incompletude interna, mas, principalmente que a pessoa historicamente perdeu o genuíno foco do interesse pessoal para as pressões externas, sejam econômicas ou pessoais. É uma espécie de protesto silencioso e interminável do organismo contra uma mentalidade que apenas fugiu de seu profundo complexo de inferioridade, o compensando com ganhos econômicos ou vaidade pessoal." Antonio Carlos Alves Araújo




A agitação de seus gestos, a ansiedade na fala que não nos permitiam a deixa do dialogo demonstrava toda a sua inquietação daquele encontro. Em nenhum momento me fitou os olhos, assim como nos raros momentos que tomei a fala prestou atenção ao que disse, me interrompendo rapidamente. 

Seus mecanismos de defesa estavam explícitos pelo incômodo da minha presença. A culpa latente do ego não disfarçou seus olhos tristes que me faziam compadecer das lembranças do passado interrompido. Naquele tempo suas inseguranças eram amenizadas pelo nosso amor. 

Hoje, sobrevivo sem as mágoas, mas tenho no peito cicatrizes das decepções que marcaram a nossa história. São sentimentos de compaixão ao vê-lo tão indefeso e distante, diante da limitação do afeto. 

Sinto pena da sua falta de mim, dos momentos que não desfrutaremos mais juntos, quando sei que ele precisará ainda mais de mim. Pois, toda a sua insegurança latente está radiografada em sua fronte. Apesar de lutar incessantemente contra o arrependimento dos impulsos errantes que se fizeram voláteis. 

Seu complexo de inferioridade ficou estampado pela insegurança que sentia em relação ao meu amor, cuja desconfiança o fez deixar-me para viver uma mentira com outro alguém que jamais o amará como eu. 

Fonte: Adler
http://antonioaraujo_1.tripod.com/psico1/portugues/Psicologia/psicologia.html