... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

domingo, 4 de janeiro de 2015

A Família repartida...



Não há mais olho-no-olho, cumplicidade ou gratidão. Nem eu mesma posso detalhar a aparência de José, pois também o olhei e não o vi plenamente. Talvez, com a minha mania de receptividade, como não o senti me ver, não o vi. Assim como, Zezinho, também não o viu, comprovando a ausência de sentimentos válidos que abarca uma família divorciada com sentimentos a resolver. 

Mesmo com a prescrição das mágoas, num perdão de sobrevivência, sempre dou a chance de reconstruirmos a paz, afinal viver remoendo sentimentos dolorosos além de me exaurir a alma traz sofrimento à todos. Já que somos uma família, não há como escapar do amor incondicional. 

Então, me solidarizo com a união de todos no Natal e tento fazer as aproximações. Mas, por mais que eu me empenhe, nada faz com que nos tornemos unidos. Já não tenho o poder de impedir as interferências externas que deterioram nosso momento. 

Assim, nosso almoço mal começou e, vem a mensagem indesejada da atual mulher de José se fazendo presente, aonde não lhe cabe lugar. Pela simples representação bélica de tê-lo como propriedade privada.

A casa estava perfumada pelo aroma das flores e colorida pelos presentes ofertados, a mesa enfeitada e a ceia servida com esmero, embora sem a contribuição coletiva de todos. Desta vez, não houve críticas e mecanicamente nos alimentamos sem esboçar qualquer reação válida ao contexto de nosso encontro. 

Não há como nos sentirmos como antes, quando éramos um conjunto. Agora, somos cerimoniosos uns com os outros. E, ninguém mais participa nas simples tarefas de servir à mesa. Coube-me sozinha até trazer as travessas quentes do forno que antes era de José. Zezinho até tentou expressar seu agradecimento com um gracejo, mas em diferentes proporções. Senti em seu abraço um pulsar suplicante de um coração doloroso e ressentido. Já no semi-abraço do Pai foi protocolar por compaixão.