... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Superar a traição...


"A recuperação após uma traição é a mesma enfrentada para superar qualquer experiência de dificuldade emocional. É preciso falar muito sobre o assunto, de uma forma honesta, profunda e respeitosa [...]. O parceiro que traiu precisa assumir a responsabilidade pelo ato. Parte do processo inclui descobrir e entender as razões que levaram à infidelidade [...]. A pessoa precisa se desculpar e estar disposta a escutar o desabafo do parceiro sobre os sentimentos feridos para se colocar no lugar do outro. [...] quem traiu ficará cansado de ouvir como a atitude magoou o parceiro, como se estivesse sendo punido. Para a relação continuar de forma saudável, o traidor precisa aprender a ouvir, ter paciência e entender que a a traição teve uma reação. [...] é muito importante a pessoa que foi traída expressar o que está sentindo, identificar a mágoa e contar ao parceiro de forma clara e respeitosa. [...] Superar a traição é um processo que envolve 'escutar'." (Adam Blum - Yourg Tango)

A traição ainda é, um dos maiores motivos das separações e da falência conjugal. Saber lidar com essa questão, inicialmente é necessário que os parceiros sejam leais e honestos, tanto quanto a culpa do traidor, como na reflexão do traído.

Além disso, o respeito ao outro é fundamental para que exista possibilidade de resgatar a relação em momento de crise. Existindo afeto e amizade entre o casal, não somente a reconciliação é possível, como também pode reforçar os laços da união. Pois, o culpado poderá se colocar no lugar do outro e entender o sofrimento causado e, ainda, o traído perdoar o deslize da infidelidade.

Entretanto, havendo deslealdade por parte do traidor ou a continuidade de "esqueletos no armário", o sofrimento tomará proporções insuportáveis para a reconciliação. Levando então, a ruptura definitiva, dentre os consequentes danos psicológicos.

Ignorar a dor e o sofrimento alheio, além de crueldade é uma característica do narcisista que poderá culminar na transferência da própria culpabilidade, a fim de justificar sua ausência de remorso. Nesse sentido, não há como manter a união e, a separação apesar de dolorosa, é a única maneira de manter a dignidade da pessoa traída.