... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

O amor incondicional...

"Pratiquem a bondade, não criem sofrimento, dirijam a própria mente." Buda



Eu ficava remoendo minhas mágoas quando via o sofrimento do meu Filho, diante da negligência afetiva paterna. Tentava de todas as formas penetrar no seu âmago e arrancar àquela dor. Mas, não tinha como revertê-la somente para mim e livrá-lo disso. 

Chocava-me a mendicância de afeto dele e a falta de compaixão do Pai, cuja situação de não saber se colocar no lugar do outro era evidente, como sempre fez em relação à mim, mas com o próprio Filho era inaceitável.   

O tempo passara e por mais que eu tentasse amenizar as consequências da nossa separação traumática, com aproximação e perdão, as mentiras permaneciam e nosso Filho constatava a falência emocional e me culpava da passividade diante da crueldade do Pai. 

Embora, eu reforçasse sempre que a minha relação com o Pai dele era totalmente diferente da dele em relação ao mesmo, a sua interpretação era o que importava, eis que tinha o pior juízo do Pai justamente pelo abandono afetivo. Assim, não surtia mais efeito fantasiar uma boa relação filial paterna, quando o tratamento aos irmãos era diferenciado. 

Meu filho se sentia o "Patinho Feio" pela exclusão sentimental de um Pai que transferia à ele todo ódio de mim.