... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

O perdão...

"O amor deveria perdoar todos os pecados, menos um pecado contra o amor. O amor verdadeiro deveria ter perdão para todas as vidas, menos para as vidas sem amor."
Oscar Wilde
 
 


Durante um bom tempo, encontrava por vezes aquela mulher no subir e descer do elevador com seu olhar amargurado olhando para o vácuo. Conseguir tirar uma simples retribuição de cumprimentos 'bom dia ou boa tarde' era quase uma missão impossível. 

Não somente, por força do ofício passei a observar o comportamento das pessoas, mas em especial das mulheres. E, essa mulher que aparentava uns cinquenta e poucos anos tinha as marcas da idade acentuadas à uma tristeza profunda

Seu comportamento sisudo, sempre com lábios cerrados era incapaz de cumprimentar a ascensorista que gentilmente saudava quem adentrasse, me intrigando o quão insensível era minha vizinha. 

Com tantas insistências da minha parte em cumprimentá-la, ela passou a ceder saudações tímidas até que um dia nos encontramos no café próximo e iniciamos um diálogo surpreendente e pude entender a sua inflexibilidade, diante da socialização espontânea de convivência.

Marta era uma mulher divorciada, depois de tantos anos de casamento jamais havia reconstruído sua vida afetiva. Seu ex-marido havia a abandonado, por uma ousada amante, levando uma vida aparentemente feliz e bastante confortável. Enquanto, ela amargava uma vida com dificuldades econômicas criando uma filha sozinha.

Suas atividades se resumiam ao trabalho profissional e doméstico. Sem praticamente nenhum lazer e com pouquíssimas amizades, apenas era afetuosa à filha, já adulta que guardara ressentimentos do pai ausente cuja dedicação se voltava à nova família. 

Passamos a nos encontrar casualmente no café e de repente, no último encontro ela me trouxe a novidade de que Sérgio, seu ex-marido, estava doente e fora abandonado pela atual mulher, a qual foi sua amante enquanto eram casados. E, Marta solidariamente o acolheu alegando que embora tenha sido um péssimo marido, justamente por todo sofrimento que a causara com sua traição, ele era pai de sua filha. 

Admirei seu nobre gesto, afinal essa sofrida mulher em que vivenciou toda dor do abandono, agora retribuía com afeto àquele que a abandonara.