... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

terça-feira, 10 de maio de 2016

O tempo...


"Todos estes que aí estão.
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho !"
Mario Quintana 




Àquele homem me fez parar o tempo e me esquecer do passado por uma tarde inusitada com seu discurso interessante sobre a vida. Ele conseguiu prender minha atenção de tal forma, que quase não pisquei na ansiedade de não perder a sua imagem estampada na minha retina. Seus olhos eram ternos e penetrantes como se desnudasse a minha alma tão machucada dos intemperes vividos. Com gesticulações das mãos dançantes numa mímica ao reforçar sua fala me fitava sem pausa, me sufocando com as perguntas sem respostas.

Na verdade, meu silêncio era a resposta do vazio que jamais poderia ser preenchido, enquanto ele era tão inteiro que transbordava os excessos. Talvez, pudesse me adicionar sentimentos. Mas, me senti incomodada com seu interesse sobre mim. Não gosto de subtrair dos outros meus desejos faltantes quando estou com baixa estima. Afinal, meu mundo estava preto-e-branco e não suportava o colorido das paixões.

Apesar da minha inércia de vida guardada nas devidas proporções conseguia disfarçar meu vácuo emocional e ainda, atraia flertes insistentes que se enganavam com minha falsa alegria. Talvez, a minha aparente beleza estética confundia até o mais inteligente dos pretensos partidos disponíveis do quanto era impossível me penetrar o espírito e me libertar dos grilhões da desilusão. 

Despedi-me com um pequeno cumprimento de adeus fingindo não escutar suas súplicas para ficar mais tempo e caminhei de encontro com a minha solidão pelas ruas da cidade, sem olhar para atrás. Apenas, observando os transeuntes na pressa de chegar aos seus destinos, onde provavelmente alguém os esperavam. Enquanto, à mim ninguém me esperava e fui vagando trazendo o tempo de volta nas lembranças.