... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

domingo, 8 de maio de 2011

A triste perda...

Agora, vejo você cansado e dormindo a minha frente no sofá da sala. Recostada no outro sofá velo seu sono. Ah! Meu querido são tantas afinidades e cumplicidades somente nossas.

Tão indefeso, e ao mesmo tempo distante de toda a forma demonstrativa do meu carinho, através do pequeno e mísero banquete que fiz com tanto esmero para agradar você da sua carência aclamada ao chegar em casa.

Bebemos um bom vinho, do qual praticamente sorvi sozinha o álcool que me jaz este momento etílico, cuja solidão e angústia me traz a sua falta, mesmo presente.

Daí... Reportei-me aos pensamentos filosóficos sobre o amor, capazes de atenuar meu sofrimento da sua perda:

"O homem tende, por natureza, à inconstância no amor; a mulher, à constância. O amor do homem diminui sensivelmente tão logo é satisfeito: quase todas as outras mulheres o excitam mais do que aquela que ele já possui, por isso sente a necessidade de variar.
Em contrapartida, o amor da mulher aumenta justamente a partir desse momento. Isso constitui uma conseqüência do objetivo da natureza, que visa conservar a espécie e, portanto, multiplicá-la o máximo possível.
Com efeito, o homem pode comodamente gerar mais de cem crianças em um ano se tiver à disposição outras tantas mulheres; já a mulher poderia, por mais homens que tivesse, dar à luz apenas um filho por ano (exceto no caso de gêmeos).
Por essa razão, o homem está sempre à procura de novas mulheres, enquanto estas prendem-se firmemente a apenas um homem: pois a natureza as leva a conservar, instintivamente e sem reflexão, aquele que nutrirá e protegerá a futura prole." Arthur Schopenhauer

"Na vida de toda a gente há braçados floridos dessas tolices sem importância.
Só a raros eleitos é dado o milagroso dom de um grande amor.
Eu teria muita pena que o destino não me trouxesse esse grande amor que
foi o meu grande sonho pela vida fora. Devo agradecer ao destino o favor de ter ouvido a minha voz.
Pôr finalmente, no meu caminho, a linda alma nova, ardente e carinhosa que é todo o meu ampa­ro,
toda a minha riqueza, toda a minha felicidade neste mundo.
A morte pode vir quando quiser:
trago as mãos cheias de rosas e o coração em festa: posso partir contente." Florbela Espanca

Enfim, tão triste a perda de um grande amor... Daquele escolhido.
Que entrou na minha vida e agora, sai sem pedir licença !

Tantos momentos, quase metade da minha vida. Dos quais me ensinara tantas coisas... me despira das frescuras e dos medos. Mesmo diante das feridas, dos espinhos, das dificuldades... me trouxe alegrias e acalanto das minhas angústias de solidão.

Assim, choro a sua perda... (Claudine Garcy)