... Em sentimentos que envolvem o universo feminino, pois “Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
A dualidade de sentimentos que envolvem o Universo Feminino.

São tantos os sentimentos em busca da identidade feminina, cujos contratempos das emoções transbordadas vão do êxtase secreto à cólera explícita...

Esse blog é um espaço aberto acerca de relatos e desabafos relativos as alegrias e tristezas, felicidades e angústias... Sempre objetivando a solidariedade e ajuda ao próximo.

domingo, 29 de maio de 2011

Questão de caráter...

"O caráter de um homem é formado pelas pessoas que escolheu para conviver." Freud 


Quando conheci Amaury percebi uma certa insegurança, mas propriamente relacionada à timidez, embora se comportasse de maneira arrogante e com os vícios preconceituosos costumeiros da classe média pequena burguesa. Havia também, uma insegurança relativa às frustrações trazidas do passado com alguns traumas, mas no contexto geral era um homem de bom caráter.

Ao conhecer Claudia, que era uma mulher bonita, encantadora, com uma vida social cheia e repletas de amigos; se interessava pelas questões sociais, estudava direito, esquerdista de carteirinha tinha princípios morais e éticos bem arraigados; assim como esbanjava felicidade e alegria de viver pelos poros.

Apaixonado pela esquerdista, causou-se com ela e transformou-se num homem extrovertido, divertido e agradável. Passou a não somente cumprimentar os subalternos, como ter compaixão por eles, virou de esquerda se interessando em política, questão social e a ter uma vida com novos princípios.

Inebriado pela beleza da jovem esposa, apesar de também ser belo, era vaidoso e cuidava da aparência, vestia-se elegantemente. Formaram um belo casal de causar inveja e admiração. 

Os anos passaram mais rápido para Amaury, enquanto Claudia permanecia jovial e encantadora, enciumado e novamente inseguro quanto aos sentimentos da esposa passou a se permitir novos interesses, relacionando com novas conquistas.

Hoje, tornou-se um homem amargo, rancoroso, sem princípios morais e éticos, sua arrogância não provém mais de timidez, afastou-se dos filhos, dos amigos e, é notório sua baixa-estima pela falta de vaidade, maneira de vestir-se, aparentando muito mais idade do que os seus cinqüenta anos. 

Relaciona-se com  Maria do Carmo, uma mulher fria, egoísta, sem vaidade,    também bastante envelhecida apesar de cinqüentenária, totalmente ausente de afeto ou compaixão pelos demais. Entretanto, foi capaz de transformar a personalidade de Amaury.

Não é à toa que o mestre da psicanálise previu a fragilidade masculina em se deixar dominar pelas mulheres. Assim, como alerta a jornalista Martha Mendonça em seu livro “Canalha Substantivo Feminino”, expondo alguns casos de mulheres canalhas e afirma: "Elas agem assim porque é a natureza delas, porque não têm empatia com o outro e buscam o próprio prazer e seus objetivos sem se importar com quem está na frente.(...) Elas atuam na vitimização, na chantagem emocional e vão pondo o homem contra os filhos, contra a família, até conseguirem o que querem".